Gaúcha arrecada e vende recicláveis para pagar castração de animais de rua

Priscila Alves Silva faz campanha para conseguir ajudar mais bichinhos na cidade

De segunda a sexta-feira, a autônoma Priscila Alves Silva, 34 anos, roda pelas ruas de Alvorada com seu carro, um Corsa 1.0, para recolher materiais recicláveis. O trabalho tem uma motivação nobre: depois de passar por cerca de 200 pontos de coleta durante a semana, ela vende os materiais e usa o dinheiro para custear a castração de animais de rua.

Protetora de animais “desde que se conhece por gente”, Priscila resolveu criar o projeto com recicláveis há cerca de cinco meses. Neste tempo, já foram cerca de 25 cachorrinhas e 15 gatas castradas. Apenas em sua casa, ela mantém 15 cães, fora outros 15 que estão em lares temporários – onde ela leva ração e materiais para cuidados básicos. A alvoradense prefere não revelar seu endereço, por receio de que cães sejam abandonados no local.

O tamanho da dedicação dela com os animais já não cabe mais no carro que dirige. Com o material que recolhe nos pontos de coleta atualmente, Priscila enche o veículo. Sem conseguir coletar mais, ela tem de limitar, também, o número de animais que auxilia mensalmente.

O desejo dela é adquirir um veículo maior, que possa fazer o transporte de mais animais. Atualmente, ela leva cinco ou seis a cada vez que visita o veterinário. Mas também para transportar uma quantia maior de recicláveis. 

– Eu só tenho dois braços e um carro 1.0. Cheguei no meu limite, mas quero ir além – conta a autônoma.

Pedido

Para seguir com o projeto, batizado de 100% Vira-latas: Eu Apoio, ela criou uma vaquinha online para arrecadar doações. Além da vontade de ter um carro maior, Priscila ainda precisa de auxílio para manter o depósito. Local onde guarda os recicláveis. E as despesas com deslocamento.

– Não quero um carro novo. Se alguém tiver algum para doar, já seria ótimo. Uma Kombi antiga seria muito bem-vinda, por exemplo – cita Priscila.

Caso de Justiça

O número de animais nas ruas de Alvorada fez com que a Justiça entrasse em ação. Em setembro de 2018, a 2ª Câmara Cível determinou uma série de ações por parte da prefeitura para o controle populacional de cães e gatos abandonados. Entre os pontos solicitados, estavam a readequação e execução de projeto de reforma e ampliação do prédio da Unidade de Vigilância em Zoonoses e implantação, em 90 dias, de uma política de controle populacional de cães e gatos.

Cinco meses depois, a prefeitura diz que tem realizado o trabalho de informação sobre o controle da população animal por meio de campanhas educativas. Além disso, promove feiras de doação e melhorias no canil municipal. Alvorada foi contemplada por uma emenda parlamentar que garante recursos para compra de um veículo para ser usado como “castramóvel”. Entretanto, não foi dada previsão para que essa verba chegue ao município.

Fonte: O Grito Do Bicho2

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *