Autor de facada em cadela se apresenta e é liberado pelo delegado da Polícia Civil de Vazante

O delegado da comarca de Vazante, André Luiz, liberou o jovem Adrian Mateus, de 19 anos, acusado de esfaquear uma cadela por volta das 5h da manhã do último sábado (28), na área do Posto 2000.

Adrian disse ao delegado que fez uso de bebida alcoólica e cocaína naquela noite, mas alegou que não se lembra do que fez.

Adrian se apresentou ao delegado acompanhado do advogado Arnaldo Alves, também de Guarda-Mor. Em nota, o advogado informou que seu cliente “apresenta quadro de crise depressiva, faz tratamento médico com uso de medicação controlada e já está recebendo o devido tratamento”.    

O advogado também pede a complacência de todos e ressalta que “a família de Adrian vem passando inúmeros transtornos em virtude do fato e está tomando todas as providências para que o jovem seja tratado e responda pelo que fez”.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é cachorro.jpg

Ao delegado, Adrian Mateus, 19 anos, disse que saiu de casa e foi para uma boate da cidade. Disse ao delegado que fez uso de bebida alcoólica e cocaína naquela noite, mas alegou que não se lembra do que fez. Adrian afirmou que faz uso de medicamentos psiquiátricos a mais de um ano. Ele disse ainda que tentou cometer suicídio.

Na ocasião do crime, o jovem foi flagrado por uma câmera de segurança do posto de gasolina, onde o animal vivia. Um inquérito foi aberto pela Polícia Civil para apurar os fatos. Posteriormente, o acusado será ouvido em audiência com o Juiz. Como não houve flagrante, ele vai responde em liberdade.

Nessa terça-feira (02/07), o advogado Arnaldo Alves da Conceição emitiu uma nota sobre o caso e seu cliente:

“Venho por meio desta salientar que Adrian Mateus, envolvido no caso de maus tratos à cadela em Vazante (MG), já se apresentou à policial civil da Comarca de Vazante, prestou os devidos esclarecimentos à justiça e responde, como prescreve a lei, por todos seus atos.

O envolvido apresenta quadro de crise depressiva, faz tratamento médico com uso de medicação controlada e já está recebendo o devido tratamento médico profissional.

A  cadela foi adotada pela jovem Raquel Rabelo que deu a ela o nome de Malu.

O médico veterinário Carlos Eduardo, que atendeu a cadela após o crime informou que o animal passa bem. Depois de receber tratamento adequado, a cadela foi adotada pela estudante Raquel Rabelo e ganhou o nome de “Malu”. z



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *