Vídeo: Cachorro não abandona dono atropelado durante socorro do Samu no DF

Homem foi atingido enquanto catava latinhas em Ceilândia. Animal não quis sair de perto dele durante o atendimento

Um caso inusitado chamou a atenção da equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), em Ceilândia Norte, no Distrito Federal. Na quarta-feira (24/04/2019), um homem foi atropelado na região e precisou ser socorrido. No entanto, o cachorro dele se recusou a sair da sua companhia durante o atendimento.

Cachorro do SAMU

“O que mais despertou a atenção foi a situação de amor do cachorro pelo dono”, destacou Márcia Medeiros, enfermeira técnica da equipe do SAMU. “Ninguém da rua parou para dar atenção para ele quando foi atropelado, mas o cachorro estava lá o tempo todo.” O condutor socorrista Jeziel Rodrigues e o técnico em enfermagem Moabi José também participaram da ocorrência.

Ariovaldo, como é conhecido o homem, reside na região e estava catando latinhas quando foi atropelado por um carro. O motorista fugiu do local, conta Márcia. Posteriormente, o carrinho de compras usado pela vítima foi roubado por alguém não identificado.

O cachorrinho pulou para o colo do dono enquanto os profissionais prestavam socorro e se recusou a deixá-lo. A avaliação só pôde ser realizada quando um vizinho segurou o animal. Ainda assim, a equipe não viu outro jeito senão colocar o bichinho na ambulância. Quando foi solto, saltou em cima da maca e ali permaneceu.

Ariovaldo não sofreu ferimentos ou fraturas, mas foi encaminhado para realizar radiografia devido ao procedimento padrão. Nesse meio tempo, o cachorrinho, de nome Nada Consta, foi mantido com os socorristas na Unidade de Suporte Básico (USB) Ceilândia 3.

“Ele aproveitou a primeira abertura dos portões para fugir e voltar para a casa do dono”, contou Márcia. “Nunca aconteceu um caso desses. O cachorro foi como um acompanhante.”

Cachorro do SAMU

Reencontro
A equipe afirma ter retornado na quinta-feira (25/04/2019) à residência do senhor Ariovaldo para entregar remédios para dor, pois ele não teria condições financeiras para comprá-los.

A técnica em enfermagem da equipe Ceilândia 3 conta que ficaram sabendo da história do homem e do cão. “Ele achou o cachorro doente e debilitado na rua, à beira da morte, e lhe deu o nome de Quase Nada. Um tempo depois, quando o animal foi bem tratado e se recuperou, passou a se chamar Nada Consta.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *